X


Como realizar um planejamento bem-sucedido em obras pré-fabricadas?

03/10/2018 | Artigos

Como realizar um planejamento bem-sucedido em obras pré-fabricadas?

 

O primeiro passo para uma obra bem-sucedida é o planejamento. Quando se trata de estruturas pré-fabricadas esta premissa é ainda mais relevante. Obras que adotam as estruturas em pré-fabricado buscam principalmente agilidade e produtividade. Este tipo de obra é mais complexo que os sistemas convencionais, exigindo mais do planejamento e gerenciamento.

Planejamento e controle são os principais itens do gerenciamento e, quando bem executados, proporcionam melhor resultado ao empreendimento. Quando se trata de obra com estruturas pré-fabricadas, ou pré-moldadas, de concreto o planejamento é de fundamental importância. É uma questão de competitividade. Um planejamento adequado pode resultar em uma obra ágil, sem conflitos nas interfaces, organizada, segura, sem desperdício e dentro do custo previsto. Para aproveitar a totalidade dos benefícios deste sistema não se pode deixar grandes definições e decisões para depois de iniciada a obra.

Neste tipo de obra, o planejamento se inicia na concepção do projeto e se estende às fases seguintes.  Esta análise inclui a arquitetura, localização da obra, acessos, logística, condições de implantação, projetos e sistemas complementares. O desenvolvimento, análise e compartilhamento de informações entre as diferentes disciplinas de projetos é fundamental para o resultado e desempenho final da estrutura.

O planejamento inicial estabelece um plano macro considerando o período previsto, fases do empreendimento e estimativas de recursos; estabelecendo limites e orientações para desenvolvimento dos planos detalhados. Com o planejamento adequado, as atividades são sequenciais, os projetos e detalhamentos são executados na sequência necessária para fabricação e montagem, assim, consegue-se minimizar os estoques intermediários, permitindo otimizar os recursos disponíveis e diminuir o descompasso entre fundação, fabricação e montagem.

As diversas fases do projeto são detalhadas pelos setores responsáveis antes e durante a execução da obra em planos de médio e curto prazo. A centralização das informações e um eficiente mecanismo de controle, são fundamentais para a eficácia do controle e planejamento ao longo de todas as etapas do empreendimento.

 

MONTAGEM

O planejamento da montagem define parâmetros para as demais áreas. Estabelecer a sequência, período e sentido de montagem são fundamentais para definir os demais planos de projeto, fabricação e expedição, contribuindo para o sucesso da montagem. Quanto mais detalhado o planejamento de montagem maior será sua contribuição. Deve-se prever o máximo possível de fatores que podem influenciar este processo.

Revisões, atrasos e alterações no planejado acarretam efeitos negativos na fabricação, aumento de estoques, produção em urgência ou falta de peças para montagem, podendo gerar atrasos ou paralisação da montagem.

Para o planejamento são definidas questões relativas ao acesso dos veículos de transporte e de montagem, segurança, eventuais locais de estocagem, equipamentos de montagem, condições de estabilidade da estrutura, procedimentos especiais, peças de grandes dimensões, posicionamentos do guindaste, plano de rigging, obstáculos e riscos para a montagem e a logística do transporte. Esta avaliação inclui definições do percurso das cargas, horários e trechos restritivos, limitações de dimensões e peso das peças. Complementando este planejamento deve previsto o acabamento, complementos e impermeabilização para entrega da obra.

 

EXPEDIÇÃO

Logística e transporte são relevantes. O custo do transporte é representativo no custo da obra.

É fundamental estabelecer um plano de transporte detalhado, como complemento ao plano de montagem, e seguindo a ordem e sequência de montagem da estrutura, determinando a composição de cada carga, em ordem inversa a sua montagem na obra e com a capacidade máxima permitida pelo transporte. Assim geralmente, consegue-se eliminar ou minimizar a estocagem na obra, agilizando a montagem. Estoques intermediários devem ser evitados, oneram o custo, diminui a agilidade e pode danificar as peças. Um bom plano de estocagem na fábrica contribui significativamente para minimizar os tempos de carga e localização das peças, além de garantir a preservação destas.

 

FUNDAÇÃO

Geralmente a execução da fundação se inicia pouco antes e segue a sequência definida para montagem da obra. Podem acontecer simultaneamente, enquanto em uma fase a fundação é executada em outra ocorre a montagem. O planejamento de montagem analisa a melhor condição e inclui esta definição. Antes da montagem são verificados a locação e níveis, garantindo a exequibilidade da montagem. Falhas, alterações na execução da fundação e/ou atrasos refletem diretamente na etapa seguinte.

 

PROJETO

As atividades de projeto fazem parte do prazo previsto para o empreendimento sendo, portanto, também sujeitas ao planejamento e controle. Nesse contexto, é grande a importância do planejamento integrado a fim de aumentar a aderência aos prazos pactuados, sendo a orientação principal o sentido e sequência de montagem.

A viabilidade e sucesso do empreendimento passa pela análise e definições de arquitetura, projeto estrutural, projetos complementares e ligações entre os elementos. Nesta etapa, no estudo estrutural, são definidas as tipologias de peças, sistema de ligações, condições de estabilidade para montagem e combinação com diferentes soluções e tecnologias. Soluções bem estudadas e planejadas são determinantes para o custo e resultado.

A existência dos projetos de instalações e complementares permitem prever, detalhar e incorporar elementos na estrutura, evitando conflitos nas instalações posteriores e garantido agilidade. O planejamento deve prever datas limites para estas definições de forma a não comprometer a sequência das atividades.

A definição da modulação, a repetição de vãos similares e padronização influenciam de forma significativa na fabricação, transporte e montagem sendo fundamentais para viabilizar o sistema. A repetição contribui significativamente para melhoria da produtividade em todas as fases. O Plano de detalhamento das estruturas deve ser articulado prevendo as prioridades das etapas de fabricação e montagem que, de forma geral, ocorrem simultaneamente.

PRODUÇÃO

No processo de fabricação dos sistemas pré-fabricados a produção é orientada por projetos, que possuem um período previamente definido, assim o sistema de produção assume características temporárias. As atividades de gestão da produção incluem o processo de desenvolvimento do produto e de planejamento e controle da produção. Falhas na avaliação da capacidade produtiva, erros na concepção do processo, tecnologia ultrapassada, layout inadequado, equipe despreparada, tendem a não atender a demanda.

O Planejamento é elaborado para longo, médio e curto prazo, com níveis crescentes de detalhamento e define o ritmo no qual serão executados os processos produtivos, sempre alinhados aos planos de montagem. São considerados os recursos disponíveis e equipes de trabalho, sendo a sequência de produção definida por ordem de prioridade.

Para elaboração do planejamento e controle da produção as peças da estrutura são agrupadas por famílias e tipos, conforme suas características de projeto, seção transversal e dimensões. Assim os mesmos moldes produzem vários tipos de peças de um mesmo grupo. A fabricação busca explorar a repetição, produzindo a maior quantidade possível de um mesmo tipo, diminuindo os tempos de setup. Entretanto, o benefício da repetição e ganhos de produtividade, devem ser avaliados em conjunto a necessidade de montagem e geração de estoques.

Geralmente a montagem é favorecida pelo sequenciamento em setores, minimizando o deslocamento do guindaste e evitando estoque na obra, condição esta, que pode não coincidir com o melhor para fabricação. No caso de obras com grande variação na tipologia das peças, envolvendo um grande número de tipos distintos, a baixa produtividade e os conflitos de integração entre produção e montagem, oriundos destes fatores, podem comprometer seriamente o prazo e algumas das vantagens do sistema pré-fabricado.

A perfeita e contínua comunicação entre as áreas de projeto, montagem e produção é determinante para garantir o atendimento aos prazos. Os planos de médio e curto prazo são continuamente avaliados e adequados ao ritmo dos demais processos.

 

QUALIDADE

As atividades relativas ao controle de qualidade acompanham o processo de produção, a produção é segmentada, sendo cada etapa confirmada antes de avançar para etapa seguinte.

A qualidade dos elementos estruturais é confirmada após concluído o processo de fabricação e atividades complementares e aprovadas para a expedição. Verificações de qualidade também são realizadas após a montagem certificando o atendimento às especificações e requisitos aplicáveis. Quando especificado, pode ser feito um Plano de qualidade específico para atendimento a um determinado contrato.


Planejamento prévio e controle rigoroso, de forma mais integrada, e sua correta instrumentalização constitui uma importante ferramenta para contribuir com o sucesso de um empreendimento. A elaboração de um bom plano, avaliação das condicionantes e sequenciamento ótimo das atividades, maximizando a utilização dos respectivos recursos, reduz-se fatores que causam graves desperdícios nos processos produtivos, como tempos excessivos de setup, altos níveis de estoque, conflitos, baixa produtividade, atrasos, perda de qualidade e aumento de custos. Em suma, planejamento e controle são vitais para o sucesso dos projetos na indústria da construção.